Rindo pra não chorar

Archive for the ‘Day-by-Day’ Category

Eu que sou louca, ou apenas nós mulheres fazemos os chamados “joguinhos”? É errado de minha parte levar tudo o que eles fazem/falam pro tal do “ele simplesmente não está afim”?
Sempre fui muito decidida nesse ponto. Quando vejo alguma atitude estranha, algum típico sumiço ou até mesmo a sensação de estar sendo evitada, eu pulo fora. Tenho amor próprio e orgulho pra dar e vender. Mas me pergunto, será que algum dia não desperdicei alguma boa chance por causa desse meu comportamento?
Pensem comigo, os homens não fazem o doce deles de vez enquando? Porque nós sim somos mestras nesse tipo de coisa, se fazer de difícil, fingir que não queremos entre tantas outras coisas. Mas e quanto a eles, será que eles fazem esse tipo de jogo?
É isso que tem me martelado constantemente nos últimos dias…

Quem mora em cidade praiana sabe muito bem os esforços que tem que fazerPraia para fugir dos tão temidos turistas! Sim, até porque o tipo de turista que frequenta litoral norte é completamente diferente do turista que vai para cidades onde existem PESSOAS MORANDO!

Me surpreendi ao tentar uma caminhada na praia ontem, em plena segunda-feira, e ela estava lotada. Sim, tios jogando frescobol, crianças fazendo buraco e desesperadas para entrar na água (tipo que a água de Santos nem limpa é!), aqueles clãs gigantes que só falta o bicho de estimação na areia. Isso sem esquecer as barraquinhas na praia que cobram preços absurdos, como 5 reais por uma latinha de coca. Vou começar a ir para a praia com comprovante de residência!

Balada então é uma utopia! A última em que fui tinha uma fila de pelo menos duas horas, e lá dentro, claustrofóbico. Odiei minha noite na minha balada favorita da cidade.

Barzinhos também não fogem a regra. Sempre costumo marcar nossos barzinhos lá pelas 22 horas, até porque se marcarmos antes ninguém aparece. Pois bem, da última vez acabamos no quiosque da praia pois simplesmente não havia bar vazio!

E pra finalizar a odisseia… a dica é fazer estoque de comida para ir ao supermercado apenas em último caso. (Deveria ter uma fila para turistas!)

E eu reclamo sim, pois me deparo com muitas situações onde vemos pessoas completamente sem educação, apenas por achar que estão passando férias em outra cidade podem fazer dessa cidade a casa da mãe Joana. Pena que cidades como Santos e São Vicente não são Maresias. Como eu já disse no começo do texto, pessoas MORAM aqui, pessoas tem sua vida aqui, seu trabalho aqui. É ultrajante ver o modo como algumas pessoas tratam nossa cidade.